Quem foi Dom Adelino?

Por Luiz Gonzaga Meira Bezerra

No antigo lugar denominado “Saco de Luiza”, atual cidade de São Vicente, no Seridó, nasceu JOSÉ ADELINO DANTAS, no dia 17 de março de 1910. Filho de Antonio Adelino Dantas e Jovelina de Oliveira Dantas, ambos falecidos. Matriculou-se no Seminário de São Pedro, em Natal, a 5 de fevereiro de 1925, trazido para o Seminário pelo Senhor Bispo Dom José Pereira Alves, terceiro Bispo de Natal. No ano seguinte, 1926, tendo-se fechado o Seminário de Natal todos os alunos foram cursar o Seminário da Paraíba e no meio dos alunos, estava o seminarista JOSÉ ADELINO. Reaberto o Seminário de Natal em 1927, todos voltaram da Paraíba. Findo os estudos em Natal, o Senhor Bispo Dom Marcolino Dantas, conferiu a Tonsura Clerical a JOSÉ ADELINO, na Catedral a 19 de julho de 1931. As ordens menores do Ostiário e Leitor, a 11 de junho de 1933, na Capela do Seminário; as outras duas ordens menores – de Exorcista e Acólito, na Capela Episcopal, a 18 de fevereiro de 1934. Ainda no ano de 1934, foram-lhe conferidas as ordens: do Subdiaconato, a 28 de outubro e a ordem do Diaconato, a 1º de novembro, ambas na Capela do Seminário de São Pedro.

O Presbiterato, ou Ordenação Sacerdotal, teve lugar a 18 de novembro, ainda no ano de 1934, na Capela Santuário do Tirol, de Nossa Senhora das Graças – SantaTerezinha (atual Matriz do Tirol). Foi companheiro de ordenação, em todas as Ordens – o Cônego Jorge O’Grady de Paiva, residente no Rio.

O Padre JOSÉ ADELINO DANTAS, celebrou a sua primeira missa com solenidade, a 21 de novembro, na Capela de São José, de Carnaúba dos Dantas, então Vila do Acari, atual cidade – município. A segunda missa solene foi na Capela de São Vicente, sua terra natal; e a terceira missa solene, foi na Capela de São Paulo do Potengi, atual paróquia. Na data de sua ordenação sacerdotal, o Padre JOSÉ ADELINO, residia com sua família, em São Paulo do Potengi.

A sua primeira nomeação, foi ainda em 1934, a 28 de novembro para vigário, em Santo Antonio do Salto da Onça, tomando posse do cargo a 8 de dezembro, dia da festa da padroeira local.

A 19 de março de 1935, foi transferido para Natal, sendo investido no cargo de Reitor do Seminário de São Pedro, como sucessor de Mons. Walfredo Gurgel. Sua posse na Reitoria di Seminário a 25 do mesmo, 1935, março.

A 20 de janeiro de 1941, foi agraciado com o título de “Cônego”, honorário do Cabido da Catedral de Belém do Pará, título conferido pelo Arcebispo Dom Antonio de Almeida Lustosa, a pedido de Dom Marcolino.

Em junho de 1951, recebeu o título honorário de “Monsenhor”, camareiro do Santo Padre Pio XII. Vaga a Diocese de Caicó, foi em junho de 1952, Mons. JOSÉ ADELINO, nomeado pelo Papa Pio XII, Bispo Diocesano da Diocese referida acima, como sucessor do Bispo Dom José Delgado, transferido para o Maranhão. A sua Sagração ou Ordenação Episcopal foi a 14 de setembro de 1952, em frente a Catedral de N. S. da Apresentação. Foi sagrante o Arcebispo de Natal, Dom Marcolino Dantas e consagrantes os Bispos Dom Aureliano Matos, Diocesano de Limoeiro, no Ceará, e Dom Eliseu Mendes, na época, Bispo Auxiliar de Fortaleza. A sua posse na Diocese Seridoense foi a 20 do mesmo mês e ano.

Em 1957, foi transferido para a Diocese de Garanhuns em Pernambuco. Vaga pela morte do Bispo Dom Francisco Expedito Lopes. Foi DOM JOSÉ ADELINO, o 5º Bispo de Garanhuns.

Em 1967, foi novamente transferido da Diocese de Garanhuns, para a de Rui Barbosa, na Bahia. Em 1975, por motivo de saúde o Santo Padre Paulo VI, concedeu a DOM JOSÉ ADELINO DANTAS, a renúncia do governo episcopal da diocese baiana, de Rui Barbosa; livre do governo diocesano, veio para o Rio Grande do Norte, localizando-se na cidade de Carnaúba dos Dantas, onde fez residência e prestando ajuda ao vigário do Acari, em cuja jurisdição pertence Carnaúba dos Dantas e circunscrita na Diocese de Caicó.

Os dados biográficos acima constam do Livro da Cúria de Natal, escritos e organizados pelo Monsenhor Severino Bezerra.

DOM JOSÉ ADELINO DANTAS, historiador, pesquisador, jornalista, professor, ensaísta, poeta e orador sacro e era considerado um dos mais ilustres latinistas do Rio Grande do Norte.

Foi batizado na Capela de São Vicente a 21/03/1910. Aprendeu as primeiras letras em São Paulo do Potengi, com seu irmão mais velho, Jacó Adelino e as professoras Paulina e Alzira Queiroz. Concluiu naquela cidade o curso primário.

Em 1947, foi nomeado professor de latim e português, da sessão feminina do Atheneu Norteriograndense. Era professor assistente da UFRN, lotado no Campus Universitário de Caicó. Os últimos anos de sua vida residiu na Casa Paroquial, da Capela de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, ao pé do Monte do Galo (Carnaúba dos Dantas), em companhia de sua irmã Júlia e da freira da Congregação das Josefinas, Irmã Maria José Rocha que prestou-lhe dedicada e constante assistência durante todo o longo período de sua enfermidade, desde o dia 23/03/1979.

Lançou três livros: “A Formação do Seminarista”, em 1947; “Homens e Fatos do Seridó Antigo”, em 1962; e “O Coronel de Milícias Caetano Dantas Correia – Um Inventário Revelando um Homem”. Estava tentando reeditar “Homens e Fatos do Seridó Antigo” bastante ampliado, fruto de novas pesquisas.

DOM ADELINO era Membro da Academia Norteriograndense de Letras e do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte e dominava com facilidade o latim, italiano, francês e o grego. Foi um dos fundadores no Brasil do Movimento dos Focolares, quando Bispo em Garanhuns.

Quando residia em São Paulo do Potengi, DOM JOSÉ ADELINO (com o seu irmão Pedro Adelino e o cunhado Ademar de Azevedo Maia), participou da Banda de Música, da “Filarmônica 22 de Setembro”, tocando pistom.

Nas horas de lazer o DOM JOSÉ ADELINO se deleitava ouvindo músicas do seu grande amigo, o maestro Felinto Lúcio Dantas. Era um entusiasta pelas pesquisas obre figuras e fatos do Seridó.

DOM JOSÉ ADELINO teve os seguintes irmãos: Jacó Adelino Dantas, Pedro Adelino de Alcântara Dantas, Senhorinha de Azevedo Dantas, Tomazia Dantas da Silva, Cristina Dantas, Josina de Azevedo Dantas, Isabel de Azevedo Dantas, Ana Dantas Medeiros, Julita Dantas de Araújo, Maria Santa Rosa Dantas e Júlia de Azevedo Dantas.

Referência

BEZERRA, Luiz Gonzaga Meira. Dados biográficos do bispo dom José Adelino Dantas. In: DANTAS, Donatilla. Carnaúba dos Dantas – Terra da Música. Brasília: H.P. Mendes, 1987.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s